Descubra se é possível recuperar um esmalte "grosso" misturando-o com acetona

Não é aconselhado usar acetona para recuperar a fluidez de um esmalte
Não é aconselhado usar acetona para recuperar a fluidez de um esmalte

Quem faz as unhas frequentemente, no salão ou em casa, certamente já utilizou um esmalte mais grosso que tenha afetado a secagem ou comprometido a esmaltação. Quando a cor é umas das preferidas ou o esmalte é de edição limitada, por exemplo, é normal o desejo de salvar o vidrinho, às vezes recorrendo à acetona ou ao óleo de banana para que o líquido recupere a sua fluidez inicial. Mas a cosmetologista Maria Ines Harris e a manicure Marlene Teixeira garantem que essa não é a melhor opção. Confira abaixo as dicas das profissionais.

Como evitar que o esmalte engrosse

Pode ser frustrante abrir um vidrinho para pintar as unhas e se deparar com um líquido grosso e inviável de ser usado. O responsável pela fluidez do esmalte é o solvente presente em sua fórmula, e é ele que fica comprometido quando o produto começa a apresentar características de adensamento do líquido. "O esmalte fica grosso porque parte do solvente evapora e começa a secar e polimerizar", diz Maria Ines. A forma de evitar que isso aconteça é bem fácil: basta apertar bem a tampa do frasco, evitando a saída do solvente. Porém, com o uso frequente, é inevitável que o esmalte acabe engrossando, já que será aberto diversas vezes. "Qualquer produto, depois de aberto, tem um tempo de duração que não é aquele descrito na validade. A validade só vale para o produto fechado, lacrado. Depois que abre, se a rosca estiver suja por exemplo, não fecha direito e pode ressecar. Além disso, durante o tempo que fica aberto também vai perdendo solvente", explica a cosmetologista.

Para a esmaltação ficar perfeita, a recomendação é que o esmalte grosso seja descartado

Para salvar um esmalte grosso é comum que manicures, ou quem faça as unhas em casa, adotem práticas que deixam o esmalte mais "fino", como a adição de acetona ou outros produtos. "Antigamente a gente colocava óleo de banana, mas isso deixava o esmalte fosco. Hoje em dia, tem gente que coloca esmalte incolor ou extra brilho", diz a manicure. No entanto, nenhuma dessas práticas devem ser utilizadas: o esmalte incolor ou extra brilho raramente apresentam resultados, podendo deixar a esmaltação "amassada", e a acetona pode afetar as unhas, causando o ressecamento.

Caso o esmalte engrosse, o correto é descartá-lo, já que a sua durabilidade e fixação podem ser afetadas. "Hoje em dia é difícil achar acetona, o mais comum é removedor e, se colocar isso no vidrinho, o esmalte fica falhado. E o esmalte grosso demora mais a secar, as vezes nem seca, não fixa na unha", diz Marlene.

A manicure ainda argumentou que a qualidade dos esmaltes melhorou muito, e hoje em dia eles demoram mais a engrossar. Por isso, ela acredita que tentar salvar um determinado vidrinho não vale a pena, já que quando a fluidez do esmalte está afetada, isso provavelmente significa que ele realmente já passou da validade.