Duelo de clássicos: unhas vermelhas ou francesinha, qual a sua preferida?

Esmalte vermelho e francesinha são dois clássicos que disputam a preferência nos salões
Esmalte vermelho e francesinha são dois clássicos que disputam a preferência nos salões
Duelo de clássicos: unhas vermelhas ou francesinha, qual a sua preferida?

O duelo dessa vez acontece entre gigantes e coloca frente a frente duas preferências nacionais. Curingas para qualquer hora do dia, a francesinha e as unhas vermelhas dividem espaço entre as mais pedidas dos salões, mas causam efeitos diferentes no look. Se uma vai por um caminho mais sexy e ousado, a outra mantém a delicadeza e romantismo. Qual a sua preferida?

Esmalte vermelho é sexy e feminino

É comum encontrar uma mulher que ainda se lembra da primeira vez que usou vermelho nas unhas. Isso porque, além da cor ser icônica, ela provoca uma sensação de poder, como se um símbolo de feminilidade estivesse sendo carregado nas mãos. A sensualidade é um bônus que vem junto com o esmalte e ajuda a criar looks de noite incríveis, mas nada que não possa ser usado à luz do dia durante uma semana de trabalho.

O uso excessivo da cor já tornou o vermelho uma cor básica, que vai da faculdade a um casamento. O segredo para se adequar é brincar com os tons, escolhendo os mais abertos para semanas ensolaradas e os mais fechados para o frio. É exatamente a temperatura que faz a manicure Gi Camargo - que tem na bagagem clientes como Gisele Bündchen e Ivete Sangalo - achar que a cor vai ganhar a votação: "nessa época as clientes preferem tons mais escuros", diz a profissional, que indica as mulheres modernas como as principais adeptas do vermelho.

Francesinha é a nail art básica, mas que transmite delicadeza

A mais básica de todas as unhas decoradas é uma verdadeira paixão nacional. Feita tradicionalmente com um esmalte branco de fundo transparente e outro mais leitoso na ponta, a francesinha é delicada e perfeita para deixar o visual neutro. Quem tem um guarda-roupas cheio de cores pode apostar no modelo como o complemento perfeito de qualquer produção, mas Gi Camargo diz que essa escolha atinge mesmo é a parcela de clientes com um estilo mais clássico: "quando elas querem ousar um pouco, saem do clarinho de sempre e vão para a francesinha, que é o máximo onde chegam", conta indicando que essa é uma maneira discreta de aderir às unhas decoradas.